Valesca Popozuda lança carreira solo e diz: "Bunda foi importante, mas não sou só isso"

Natália Guaratto
Do UOL, em São Paulo

Desde que despontou para o sucesso como dançarina do grupo Gaiola das Popozudas, aos 20 anos, Valesca Popozuda, hoje com 34, está constantemente sob os holofotes.

Semana sim, semana não, a funkeira estampa os sites de celebridades com notícias que destacam desde sua turnê musical recente na Europa até uma piada sobre a eleição do novo Papa.


Cheguei à conclusão de que não faço sucesso por causa da minha bunda. Se meus fãs me amam, não é por causa do meu corpo, é por causa da minha música. Se minha bunda ficar cheia de celulite, vou continuar tendo sucesso porque canto"

Valesca Popozuda

Na mais recente polêmica em que se viu envolvida, Valesca foi acusada de ter o "bumbum desvalorizado". Tudo isso porque ela decidiu baixar o valor do seguro de suas nádegas de R$ 5 milhões para R$ 1 milhão.

"Saiu essa notícia falando que tinha desvalorizado. Eu ri, né? O que aconteceu é que eu pagava um valor muito alto. Era um dinheiro jogado fora. Então eu resolvi trocar o seguro do bumbum por um de corpo inteiro. Agora vou usar esse dinheiro para investir no meu projeto de escolinha de futebol na Rocinha".

Abandonar o seguro do bumbum foi só uma das atitudes que Valesca tomou nos últimos tempos para dar um novo passo em sua vida profissional.

"Fiz esse seguro de R$ 5 milhões quando coloquei silicone. E as pessoas só falavam disso. Já que o assunto era a minha bunda, por que não valorizá-la?", brinca. "Hoje, cheguei à conclusão de que não faço sucesso por causa da minha bunda. Se meus fãs me amam, não é por causa do meu corpo, é por causa da minha música. Se minha bunda ficar cheia de celulite, vou continuar tendo sucesso porque canto", garante Valesca. "A bunda é uma parte importante da minha carreira, não nego, mas não me considero só isso".

Ainda em 2013, a funkeira, que construiu seu sucesso em cima do nome Popozuda, deve sair do grupo Gaiola das Popozudas para fazer shows sozinha.

A saída do grupo, explica Valesca, foi uma decisão de seu empresário Pardal, que a acompanha desde o início quando ela nem sonhava em cantar. "Ele viu que o meu nome Valesca Popozuda estava bem forte e decidiu investir em dois produtos diferentes, Valesca e Gaiola".


Aquela exposição serviu para as pessoas acabarem com o preconceito que tinham comigo e com o funk. Pude mostrar que não sou só a Valesca bunda, a Valesca corpo, a Valesca palco

Valesca Popozuda, sobre ter participado do reality show "A Fazenda 4"

"Na primeira vez que me apresentei, levei latadas"
Nascida no bairro do Irajá no Rio de Janeiro, Valesca entrou na carreira artística fazendo figuração em novelas da Globo. Com 20 anos, ela sonhava em ser atriz, mas ficou grávida do filho Pablo, hoje com 13 anos. "Não foi uma coisa que eu tinha programado, e depois que aconteceu, achei que ia ser uma eterna mãe, dona de casa", lembra.

A vida de Valesca mudou no começo da década de 2000, época em que o funk estava se popularizando fora do Rio de Janeiro, na esteira do sucesso do grupo Bonde do Tigrão. O empresário Pardal convenceu a funkeira a deixar um emprego de frentista de posto de gasolina para se dedicar aos bailes como dançarina.

Três anos depois, o empresário obrigou Valesca a assumir os vocais do grupo. "Na primeira vez que me apresentei, levei latadas da plateia. Eu não sabia nem fazer playback, gritava junto com a música de base", lembra às gargalhadas. "Saí do palco detestando aquilo e dizendo que nunca mais ia cantar, mas o Pardal disse que era preciso eu ter superado aquele medo para evoluir", conta.

Hoje, Valesca faz shows para as mais diferentes plateias. "Faço matinê de adolescente, show em boate GLS, festa de 15 anos, comunidade, turnê na Europa", enumera. "Posso dizer que hoje eu faço sucesso com todas as classes. É uma fatia mínima da sociedade que não gosta do funk".

Parte de seus admiradores, conta Valesca, apareceram depois que ela participou do reality show "A Fazenda 4", da Record, em 2011. "Aquela exposição serviu para as pessoas acabaram o preconceito que tinham comigo e com o funk. Pude mostrar que não sou só a Valesca bunda, a Valesca corpo, a Valesca palco".

"Sou a Diva Que Você Quer Copiar"
Sozinha no palco, Valesca quer ser diva, assim como sua ídolo Beyoncé, por quem se diz "fanática". "Não adianta anunciar a carreira solo se não tiver mudanças. Penso num palco maior, com cenários mais elaborados, figurinos mais glamourosos. Uma coisa bem estrela", explica.


Não sei bem, mas acho que o Roberto Carlos curte o funk. Soube que ele até aceitou gravar um melody [estilo de funk mais romântico] para a novela

Valesca Popozuda, sobre o sonho de se apresentar com Roberto Carlos

A primeira música da nova fase se chamará "Sou a Diva que Você Quer Copiar", com um refrão que diz: "Já falei que não sou top, não sou poderosa, mas sou ruim de aturar, eu sou a diva que você quer copiar".

Valesca nega que seja uma provocação a outras funkeiras ou cantoras. "Hoje em dia, se me copiam, é sinal de que meu trabalho está dando certo".

Questionada se pretende dar uma cara "mais pop" às suas apresentações, Valesca diz que "jamais abandonará o funk". Na lista dos "sonhos altos" da cantora está cantar ao lado de Beyoncé no Rock in Rio. "Acho que nem conseguiria cantar, ia ficar parada assistindo", imagina.

Outra aspiração é um dueto com Roberto Carlos. "As pessoas acham estranho, mas sou muito romântica. Não custa nada sonhar, mas se rolasse, acho que seriam "muitas emoções"", brinca. "Não sei bem, mas acho que o Roberto curte o funk. Soube que ele até aceitou gravar um melody [estilo de funk mais romântico] para a novela".


Acho que não ia dar certo. Sou ciumenta e ele gosta de ter muitas mulheres

Valesca Popozuda, sobre os boatos de que teria um caso com o funkeiro Mr. Catra

"Eu não namoro, eu fico"
Se na vida profissional tudo vai bem para Valesca, o mesmo ela não pode dizer do lado amoroso. "Está difícil achar o tal "esse cara sou eu"", brinca.

Valesca diz que não gosta de se envolver com homens do meio artístico e que, por conta da agenda apertada de shows e gravações, prefere ter relacionamentos casuais. "Eu não namoro, eu fico".

A cantora conta que tem um celular específico para as ligações com os paqueras. "Quando chego no Rio, eu ligo, aí combino alguma coisa com alguém que já fiquei".

Namorar sério é algo que ainda não está nos planos dela. "Sofri muito com o pai do meu filho, sou romântica, quero um homem só para mim, não aceito traição, quero ser tratada como lady, receber flores", diz.

Sobre os boatos que circulam de que ela teria um caso com o funkeiro Mr. Catra, parceiro musical com quem ela gravou seu último sucesso, "Mama", Valesca responde com bom humor: "O Catra é meu amor, temos um carinho grande um com outro, mas acho que não ia dar certo. Sou ciumenta e ele gosta de ter muitas mulheres".

Notícias relacionadas



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos