"Não esperava ter sucesso e ibope", diz Rodrigo Faro

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin

Colunista do UOL Leia todos os artigos

Foram três emissoras, cerca de 15 novelas e minisséries, três CDs, cinco peças teatrais e cerca de 400 comerciais em mais de 20 anos de carreira. Mas, aos 36, Rodrigo Faro pode dizer que chegou lá. Pode, mas não diz. Faro ainda se diz surpreso com os números que vem obtendo no ibope, condição que levou a Record a renovar seu contrato até o final de 2018. É portanto, o artista com o contrato mais longo da TV brasileira, superando inclusive os concorrentes globais Fausto Silva e Luciano Huck (ambos com contratos até 2015 e 2017, respectivamente).

O ibope do programa cresc eu 28% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o ano passado. "Sinceramente, eu nunca pensei que fosse ter ibope ou fazer sucesso ao ponto de crianças me pedirem autógrafo nas ruas, como está acontecendo. Sabia e queria comandar um programa, sempre quis isso... Mas não esperava fazer sucesso como comunicador", diz Faro em entrevista ao programa Ooops!

Casado, duas filhas, desde 2008 na Record, Faro transformou o "Melhor do Brasil" em um dos programas de maior faturamento e também uma das maiores audiências da Record.

Hoje o programa em alguns sábados chega a marcar quase que o dobro da audiência do que tinha com seu antecessor, o global Márcio Garcia.

Além desse, ele também está à frente de "Ídolos". A carreira começou ainda criança, aos 12 anos, com a lendária Tia Irany, da agência Prytt, no ABC. Estreou como apresentador mirim do "ZYB Bom", na Band. Depois, adolescente, integrou o grupo musical Dominó.

Em 1996 estreou em uma novela, "Antônio Alves, Taxista", no SBT. Em 97 foi para a Rede Globo. Em 2001 foi co-protagonista de "A Padroeira", como Faustino.

Em 2008, assinou com a Record. Este ano, ganhou o Troféu Imprensa de melhor apresentador de TV.

Veja como é o programa "Melhor do Brasil", da Record, em números

Média nacional de ibope: 10,2 pontos - 28% acima do registrado em 2009 (8,0 pontos)

Share do programa (% dentro das TV"s ligadas): 20% a 24% durante as quatro horas do programa

Datas marcantes

Dia 17 de julho

Programa teve maior audiência entre os programas de auditório da TV aberta:

"Melhor do Brasil": 13 pontos de média

"Caldeirão do Huck": 12 pontos

"Programa Raul Gil": 9 pontos

Dia 03 de julho

No Rio, "Melhor do Brasil" dá 19 pontos de média entre 19h24 e 19h56, supera a novela "Tempos Modernos", da Globo, e vira líder por 32 minutos

Faturamento

Cresceu 54% no primeiro semestre em comparação com o mesmo período no ano passado

Merchandising: 28% do faturamento do programa.

Público

41% masculino

59% feminino

Classe social

Classe AB: 30%

Classe C: 59%

Classe D e E: 11%

Idade predominante

25 anos (62%)

Assista ou leia a mais informações exclusivas de TV, música e cinema no programa Ooops!, que também é pródigo em divulgar informações sobre a passagem, desta para a melhor, da cria da vaca em fase de amamentação.

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin, 51, é colunista do UOL, onde apresenta o programa Ooops! às segundas. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos